.:: Acessibilidade
Confira a previsão do tempo

Navegantes

Assine nosso Feed
Acompanhe nosso blog
Siga o Tainha no Twitter
>> Inicio >> Navegadores >> Navegantes >> Nau de Caboto no Sul da Ilha de Santa Catarina

Nau de Caboto no Sul da Ilha de Santa Catarina

Projeto Barra Sul




Mergulhadores do Projeto Resgate Barra Sul localizaram em março de 2009 restos de um navio que pode ser de um dos mais antigos naufrágios que se tem registro: a nau Santa Maria de La Concepcion, de Sebastião Caboto, que foi a pique em 1526.
Agora, encontrar o sino ou os canhões de sinalização, que trazem o nome da embarcação marcado nas peças, é o objetivo imediato dos mergulhadores que descobriram vestígios de um navio do século 16 afundado próximo à Praia de Naufragados, no Sul da Ilha de Santa Catarina. Os objetos procurados poderão comprovar a suspeita de que a embarcação pertenceu realmente a Sebastião Caboto, um dos mais famosos navegadores europeus que passaram por Santa Catarina.
O saldo de cinco anos de pesquisa dos mergulhadores do Projeto Resgate Barra Sul ficou mais positivo recentemente. Recentemente eles encontraram duas âncoras, um canhão e, o mais importante, um lastro de pedra. Este último é considerado forte indício de que ali, naquela área, está mesmo naufragado um navio. De acordo com o supervisor de mergulho do grupo empenhado na descoberta do museu arqueológico subaquático, Ney Mund Filho, o amontoado de pedras denominado lastro é uma forma que os navegadores encontravam para garantir estabilidade às embarcações da época. A certeza de que os pertences achados são de um navio do século 16 é evidenciada, também, pela proporção das âncoras (detalhe), bem maiores do que o convencional. Enquanto um barco de 30 metros tinha uma âncora de quatro metros e uma tonelada, hoje, um com o mesmo tamanho possui uma âncora de meio metro, pesando 50 quilos.
– Suspeitamos que a embarcação seja a nau Santa Maria de La Concepcion, de Sebastião Caboto, quando passou por aqui, em 1526. Se for, não há tesouro, porque, segundo registros feitos pelos tripulantes à Marinha, o barco teria levado três dias para afundar – comenta Ney, descartando qualquer possibilidade de encontrar metais preciosos deixados pelos náufragos.
No caso, todos sobreviveram, mas o local é tão perigoso que passou a ser conhecido como cemitério de navios. Não é à toa que, cerca de 10 anos antes, na mesma área, teria afundado uma das caravelas da expedição de outro aventureiro dos livros de história, o navegador Juan Díaz de Solís. Além da forte correnteza no mar da região e dos bancos de areia que se formam, as ondas podem chegar a cinco metros no local.


Mergulhe mais fundo: www.ongbarrasul.org/barra_sul

Dois toques

pesca-liberada

Pesca liberada

Pescadores são liberados a começar ...
Mergulhe fundo...
a-vez-do-berbigao

BERBIGÃO

HORA E VEZ DO BERBIGÃOpor Fernanda ...
Mergulhe fundo...
ostras-e-mariscos

Ostras e mariscos

Por presença de toxina, governo ...
Mergulhe fundo...
em-laguna

Em Laguna

Hoje, dia 07/08/14 ás 7h e 16m, ...
Mergulhe fundo...

Tem a ver...

foto vídeo

Arquitetos do mar II

    Este documentário, ...
Mergulhe fundo...
Foto do Arquivo - Tainha na Rede

MAR DE ILHAS


As Ilhas Moleques do Sul, ...
Mergulhe fundo...
foto vídeo

Piratas Somalis.Piratas?

Um documentário sobre a ...
Mergulhe fundo...
Esta obra tem apoio da FUNARTE - Fundação Nacional de Artes